Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Gato Vadio | 15.07.11

Pedro Zamith, O Malandro

Ontem andei a revisitar os velhos tempos de vadio. Fui ver um concerto e encontrei Pedro Zamith, o malandro.

 

 

As illustrações do Pedro Zamith são muitíssimo expressivas, mas chateia-me que ele persista em fazer sombra e luz independentes. Perante a incrível sensação de perspectiva de algumas imagens, as sombras carregadas e aleatórias agem como cascas de banana no caminho da percepção, e volta-se a estar apenas a olhar para um desenho na parede. Next.

 

(descarregar programa em PDF)

 

Desculpem deixar apenas o PDF do programa e uma banal pesquisa Google, mas tanto o CCB como o Pedro Zamith só disponibilizam informação em Flash. Não gosto de sites exclusivamente em Flash por considerar redutor da própria imagem que transmitem. Não visitei, não partilho. Adiante.

 

Apesar de (eu, pessoalmente) implicar com as sombras, o facto é que sinto um amor-ódio pela forma como o Pedro se expressa. Momentos de puro expressionismo que nos colocam dentro de alguns dos cenários.

 

É gratuito, vale a pena e despacha-se em dez minutos ;)

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De pedro zamith a 17.07.2011 às 01:25


Caro gato vadio,obrigado pela critica. São sempre construtivas se forem bem fundamentadas,o que me parece ser o caso,ou pelo menos com conhecimento de causa. Confesso que nunca me debrucei muito nas sombras dos meus personagens, no entanto, a razão das sombras aleatórias, prende-se precisamente por uma procura de acentuar perspectivas ou mesmo agarrar personagens ao restante cenário ou contexto. Não por não saber onde as colocar tecnicamente. Quanto a fotografias, tenho todo o gosto sempre que quiser enviar-lhe por mail com boa resolução. Um abraço, pedro

De Gato Vadio a 22.07.2011 às 15:13

Obrigada Pedro! Pelo comentário, pela receptividade e pela disponibilidade em relação às imagens :)

De facto, nunca me ocorreu que o Pedro colocasse assim as sombras por não saber fazê-lo correctamente. Mas confesso que cheguei a pensar que o fazia com o objectivo de desamparar o observador...

Como é precisamente esse pormenor (sombras irreverentes e contraditórias) que me atira para fora do cenário, e eu queria estar dentro, curti-lo, que manifestei a minha opinião e a espécie de "amor-ódio" que essa sensação de expulsão me causou.

Mais uma vez, obrigada pelo feedback :)

Comentar post




moradores

 

um gato no telhado, uma humana por casa e uma erva no canteiro