Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Teresa Alves | 08.10.13

Não vá uma pessoa esquecer-se

Às vezes subimos a fasquia do investimento num trabalho porque gostar que corra bem tem destas coisas.

Depois ainda somos atropelados de configurações corruptas, internet a conta gotas e uma sinusite de estimação a miar.

Até ao momento em que pára tudo. Pára o relógio e fica um burburinho de árvores aos gritos, Não vá uma pessoa esquecer-se de viver...

E amanhã voltamos a subir a fasquia do investimento num projecto cheio de vontade de ser. E voltamos a apagar incêndios disruptivos. Voltamos aos atropelos tecnológicos e às mazelas de estimação.

Amanhã voltamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Teresa Alves | 12.09.13

Porta fechada

photo.jpg

O treino de tradução de linguagem visual para linguagem verbal pode abreviar muito o processo de tradução. Aprendemos a verbalizar e a interpretar.

Mas teremos de viver com o que nunca chega a ser comunicado. Porque por mais que se treine, o pensamento visual é muito mais rápido.

E enquanto uns recebem treino para utilizar mais o pensamento visual, outros frustram por não conseguir palavras que em tempo útil vomitem um raciocínio inteiro.

Se nos tivermos habituado a verbalizar com razoável destreza, ficar sem palavra é como uma porta fechada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

cenas ao molho:


Teresa Alves | 01.08.13

Beber para produzir!?

Será que todos aqueles que considerem o seu trabalho desagradável, devem começar a fazê-lo alcoolizados para "esquecer as agruras da vida"?
(imagem de kegworks.com)

“Note-se que, com álcool, o trabalhador pode esquecer as agruras da vida e empenhar-se muito mais a lançar frigoríficos sobre camiões, e por isso, na alegria da imensa diversidade da vida, o público servido até pode achar que aquele trabalhador alegre é muito produtivo e um excelente e rápido removedor de electrodomésticos”

in Público, ver artigo completo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

cenas ao molho:


Teresa Alves | 06.06.13

Olá meu querido

Autoria e outros dados (tags, etc)

cenas ao molho:


Teresa Alves | 20.03.13

A vida depois do Google Reader

O anúncio do fim do Google Reader deixou-me a bater mal. 

 

 

Ter uma app que sincroniza na perfeição entre vários dispositivos uma infinidade de feeds de rss agrupados em pastas e subpastas à minha escolha; que me permite acompanhar o que se vai fazendo e descobrindo e aprendendo, tudo acessível de um relance... (até fico lamechas) é de parar para pensar.

 

Até que ponto o nosso modo de vida evolui com a adopção de certas ferramentas e até que ponto estamos dispostos a flexibilizar para mudar as coisas para um novo segmento de evolução 

 

Quando começaram a disparar bitaites foi criado o perfeito ecosistema para todos os que entraram em pânico. E as apps que uns anúnciam como alternativas gratuitas já o não são, já que mal foram invadidos de novos utilizadores vindos do Google Reader, os seus responsáveis refrearam a adesão começando a cobrar pelas apps. 

 

Tenho experimentado alguns serviços e aplicações, web e nativas ios, e desde design "in your face" embora agradável mas com péssima usabilidade a apps tão simples que nem agrupar os feeds permitem, o meio-termo perfeito que se conhecia no Google Reader parece uma utopia.

 

E se existisse um outro Reader, de preferência como o Google Reader anterior (antes do útimo redesign) e fosse gratuito e se pudesse começar a utilizar já? Existe. É feito por gente que adorava o Reader anterior (e daí o nome "The Old Reader" ) e é excelente no desktop e portátil, mas apenas satisfatório no telefone (não um projecto "mobile first", é por isso).

 

No primeiro contacto o The Old Reader pareceu-me demasiado austero já que em lado nenhum encontrava como criar pastas. Afinal é arrastar um feed para o fim da lista até aparecer o texto "Criar nova pasta". Depois é arrastar outros para lá. E a pesquisa devolve tudo. Feeds, conteúdos e até ajuda! Uma delícia.

 

Sobre a importação de feeds, não vos aconselho e automática. O The Old Reader recebeu tantos pedidos de importação de feeds que o tempo de espera é grande. Em 3 dias o meu lugar na fila avançou menos de 5% . Foram milhares de adesões e compreende-se o entupimento. 

 

Embora a equipa esteja a trabalhar no sentido de minimizar isso, se fizerem a importação manual de cada feed podem começar a utilizar o serviço já. Este pelo menos merecer ser experimentado.

 

Agora vou ali continuar o copy-paste dos endereços de subscrição dos feeds do Google Reader para o The Old Reader :-)

Autoria e outros dados (tags, etc)



moradores

 

um gato no telhado, uma humana por casa e uma erva no canteiro